Voltar para a lista de publicações

Receba as melhores dicas e novidades por e-mail

Código de ética do corretor de imóveis: Saiba como funciona

Você utiliza o Código de Ética do corretor de imóveis? Conheça os dez artigos deste documento e torne-se um profissional de referência no mercado

  • Postado em 31 de dezembro de 2018
  • Destaque, Geral
  • Assim como em outros nichos do mercado de trabalho, o setor de imóveis também apresenta seu próprio Código de Ética para corretor de imóveis. O objetivo primário deste documento, é estabelecer critérios de atuação para o dia a dia do profissional da área, assinalando como agir em diversas situações. Alguns exemplos tratam da postura que o corretor deve adotar em seus atos, seja com outros colegas do mercado, com a sua classe profissional ou com os clientes, levando sempre em conta os valores éticos e morais. Por isso, se você ainda não utiliza o Código de Ética em sua atuação, confira os dez artigos para realizar um trabalho correto e responsável.

    Artigo 1 – Qual o objetivo do Código de Ética?

    O primeiro artigo do Código de Ética do corretor de imóveis fala a postura do profissional do mercado imobiliário. O recado é claro: seu comportamento diz muito a respeito da conduta profissional de todos os corretores. Por isso, é preciso pensar bem na maneira como você está representando a sua classe. Algumas dicas para transmitir confiança é:

    • Não omitir informações de valores durante uma transação imobiliária (compra, venda, aluguel, entre outros), como o valor do condomínio, do IPTU ou outro custo;
    • Não esconder possíveis problemas com a estrutura do imóvel (canos quebrados, paredes rachadas ou qualquer dano que o futuro morador venha enfrentar);
    • Não deixar de falar sobre questões importantes da documentação, mesmo que pareça óbvio.

    Conduta de um bom corretor de imóveis

    Artigo 2 – Além da defesa do interesse do que lhe é confiado, cabe aos deveres do corretor de imóveis zelar pelo prestígio da sua classe social, além de buscar constante conhecimento sobre as transações imobiliárias.

    Artigo 3 – Neste tópico, é reforçado os deveres do corretor de imóveis em relação ao exercício da profissão, aos colegas e à classe:

    • Não cometer nenhum ato que possa comprometer sua dignidade como profissional, considerando a profissão como um título de honra;
    • Prestigiar as entidades de classe, auxiliando sempre que solicitado, pensando sempre no sucesso das suas iniciativas em prol da profissão e do “todo”;
    • Sempre manter contato com o seu respectivo Conselho regional;
    • Zelar pela existência, fins e prestígios dos Conselhos Federal e regionais, aceitando mandatos e encargos sugeridos;
    • Ser leal à profissão, exercendo seu cargo com dignidade;
    • Defender os direitos e os privilégios da profissão;
    • Cumprir bom caráter mesmo fora do exercício da profissão;
    • Não omitir infrações de quem deve ter ciência, auxiliando a fiscalização do exercício profissional do Código de Ética;
    • Não desrespeitar os colegas, nem mesmo quando estiver longe da presença dos mesmos;
    • Relacionar-se com os colegas de maneira respeitosa e solidária.

    Artigo 4 – Relação entre corretor e cliente

    De acordo com o artigo 4 do Código de Conduta do corretor de imóveis, o profissional do mercado imobiliário deve ter total conhecimento sobre o negócio que está intermediando. Assim como não deve esconder do cliente, em circunstância alguma, todos os detalhes da transação. Outras ressalvas são:

    • Informar ao cliente sobre os riscos que possam comprometer a negociação;
    • Recusar a participação de toda e qualquer negociação que envolva processos ilegais;
    • Comunicar o cliente sempre que receber um valor ou documento destinado a ele;
    • Se colocar à disposição do cliente, principalmente quando realmente for solicitado;
    • Devolver ao cliente os papéis que não mais necessite;
    • Oferecer o recibo de todas as quantias que o cliente lhe pague ou entregue a qualquer título;
    • Receber comissão apenas de uma das partes combinadas, salvo se, houver um outro tipo de combinado entre todas as partes envolvidas.

    Artigo 5 – Responsabilidade Civil e Penal do corretor

    Atos profissionais danosos ao clientes devem ser respondidos civil e penalmente pelo corretor de imóveis, seja por causas imperícia, ou seja, falta de capacidade para exercer a função, negligência, imprudência ou qualquer infração ética.

    Artigo 6 – O que é proibido ao corretor de imóveis?

    Vinte resoluções formam as proibições de condutas para o corretor de imóveis, entretanto os sete “destaques” são:

    • Assumir trabalhos que não sejam de sua expertise, ou seja, atividades para os quais não se esteja capacitado;
    • Aceitar tarefas fraudulentas;
    • Lucrar de maneira desonesta “às custas” do cliente;
    • Tirar um cliente de um colega de profissão;
    • Concordar e associar-se com profissionais que praticam atividades ilegais durante a negociação imobiliária;
    • Concorrer de forma desleal com outros corretores de imóveis;
    • Abandonar uma transação imobiliária sem aviso ou justificativa ao cliente.

    As outras resoluções de proibição são:

    • Manter sociedade profissional fora das normas estabelecidas em lei e em resoluções;
    • Colocar anúncios muito acima do valor médio de imóveis de perfil parecido para lucrar deslealmente;
    • Receber comissões que não estejam de acordo com a Tabela aprovada;
    • Não atender notificações para esclarecimento à fiscalização ou intimações para instrução de processos;
    • Cobrar um preço maior do que o devido durante as negociações;
    • Receber ou até mesmo solicitar do cliente qualquer tipo de favor em troca de concessões ilícitas;
    • Deixar de cumprir, dentro do prazo, determinação emitida pelo órgão ou autoridade dos Conselhos;
    • Aceitar encargo de transação que esteja direcionado a outro Corretor de Imóveis, sem dar-lhe prévio conhecimento por escrito;
    • Aceitar encargo de transação sem contratar com o corretor de imóveis com que tenha de colaborar/substituir;
    • Realizar anúncios enganosos;
    • Reter negócios quando não se tem a probabilidade de realizá-lo;
    • Utilizar sua profissão ou cargo para obter vantagens pessoais;
    • Receber sinal em negociações que lhe forem confiadas caso não esteja autorizado para isso.

    Aplicação e fiscalização do Código de Ética do corretor de imóveis

    Do artigo 7 ao 10, a escrita é que confere ao CRECI fiscalizar, julgar e punir ações antiéticas que foram comprovadas.

    Artigo 7Compete ao CRECI, em cuja jurisdição se encontrar inscrito o Corretor de Imóveis, a apuração das faltas que cometer contra este Código, e a aplicação das penalidades previstas na legislação em vigor.

    Artigo 8 – O corretor de imóveis que desatender os preceitos do artigo 3 (descrito acima) comete grave transgressão ética.

    Artigo 9 – As regras do código de ética cabem aos profissionais inscritos nos Conselhos Regionais

    Artigo 10  – As Diretorias dos Conselhos Federal e Regionais são responsáveis por promover a ampla divulgação deste Código de Ética.

    Em um mercado tão competitivo, ser um profissional ético faz toda a diferença na hora de conquistar a confiança dos clientes e, consequentemente, ser indicado por eles para outras pessoas interessadas em negociar. Por isso, esteja sempre ciente dos códigos da sua profissão e execute-os em seu dia a dia.

    E para você, quais artigos são os mais importantes para ser um profissional de destaque entre os clientes e colegas de mercado? Conte para nós nos comentários.

     

    Comentários

    comentários


    Receba as melhores dicas e novidades por e-mail

    Veja também no VivaCorretor

    • Social
    VivaReal

    O VivaCorretor é uma iniciativa do Portal Imobiliário VivaReal