Voltar para a lista de publicações

Receba as melhores dicas e novidades por e-mail

O que faz algumas empresas serem mais bem sucedidas do que outras?

Confira 5 lições de Robinson Shiba, fundador do China in Box, que podemos aplicar no mercado imobiliário

  • Postado em 14 de setembro de 2018
  • Destaque, Publicações
  • Todo empreendedor deseja ter sucesso. No mercado imobiliário não é diferente. Quem abre uma imobiliária quer vender todos os imóveis que anuncia. Mas começar o próprio negócio exige alguns cuidados. Uma história que serve de inspiração para quem deseja empreender é a de Robinson Shiba, fundador do China in Box.

    Compartilhamos abaixo 6 lições do empresário que conseguimos aplicar no dia a dia do segmento imobiliário. Confira!

    1 – Estudar o mercado

    A ideia de criar o China in Box veio de uma experiência de trabalho que Robinson teve quando fez um intercâmbio nos Estados Unidos. Para saber se funcionaria no Brasil, o empresário foi entender primeiro o quanto e como o mercado brasileiro consumia comida chinesa. Ele passou dois anos e meio frequentando restaurantes especializados em gastronomia chinesa.

    O que o mercado imobiliário pode aprender com isso?

    Devemos sempre estar atentos ao que os nossos concorrentes estão fazendo. É importante conhecer outras imobiliárias que atuam com foco no mesmo público que o nosso. Dessa forma conseguimos ter ideias de como fazer ações diferentes que podem atrair mais pessoas para a nossa imobiliária.

    Mulher estudando negócios

    2 – Panfletos diferenciados

    Quando Robinson Shiba começou com o China in Box em 1992, apenas as pizzarias faziam entregas em casa no Brasil. Os panfletos de pizzas eram simples, apenas com os nomes das opções e os recheios. Mas comida chinesa seria algo difícil de saber o que é se não tivesse ilustrações. O China in Box foi o primeiro restaurante a colocar imagens dos pratos nos panfletos.

    O que o mercado imobiliário pode aprender com isso?

    Como corretores precisamos pensar se a nossa comunicação está clara. Uma mensagem que trocamos no WhatsApp com um cliente precisa de uma foto? Uma anúncio no Facebook está sendo efetivo com o texto e a imagem que ele mostra? Saber se estamos nos fazermos entender é o ponto inicial para o início de uma boa conversa com potenciais clientes.  

    3 – Montando uma equipe que acredita na ideia

    Amigos foram os primeiros sócios de Robinson Shiba. Cada um ajudou com ideias nas áreas que tinham conhecimento. Os panfletos foram feitos por um amigo publicitário que não recebeu dinheiro em troca do trabalho. Com a ideia no começo e o dinheiro ainda sem começar a entrar, Robinson pagou ao amigo em yakissoba.

    O que o mercado imobiliário pode aprender com isso?

    Devemos nos cercar de uma equipe que acredita no objetivo que propomos. Se nossa imobiliária foca em um determinado perfil de produto precisamos saber se nossos colegas gostam de trabalhar com o público que nos procura. Não adianta ter profissionais trabalhando desmotivados.

    Time que acredita

    4 – Quebrando estereótipos

    Durante os dois anos e meio que passou conhecendo restaurantes chineses, Shiba percebeu o preconceito das pessoas em relação à higiene desses estabelecimentos. Para quebrar o estereótipo de que cozinha chinesa é suja, ele decidiu que as de todos os China in Box seriam visíveis para o público.  

    O que o mercado imobiliário pode aprender com isso?

    É importante mostrarmos que não somos aquele profissional que quer empurrar uma venda, sem se preocupar com as prioridades e perfil dos clientes. A transparência é uma das características mais cobradas em diversos mercados. No imobiliário não é diferente. Devemos mostrar ao cliente que trabalhamos sem esconder nenhuma informação.  

    5 – Universo digital e tendências

    Robinson Shiba comentou que em 2015, ano em que a crise se acentuou, viu as vendas caírem. Nesse mesmo ano ele percebeu que não estava investindo em presença digital. Enquanto os concorrentes estavam em aplicativos de delivery, ele ainda não tinha explorado essa tecnologia. Ao investir em presença digital, Shiba observou uma melhora nas vendas.

    Shiba também investiu em fogões adaptados à rede Wi-Fi. Dessa forma, os responsáveis pela cozinha de cada China in Box podem padronizar o tempo de cada prato no forno sem se preocupar em errar o ponto.

    O que o mercado imobiliário pode aprender com isso?

    Devemos estar atentos a todas as novidades que surgem e entender como elas podem ajudar os nossos negócios. Olhar com desconfiança e se recusar a entender pode fazer com que a gente fique para trás. Além disso, observar os hábitos de consumo dos mais jovens, que vão ditar as tendências do futuro. Shiba descobriu os aplicativos de delivery por conta da sua filha de 16 anos.

    Como você está cuidando da sua imobiliária? Que caminho para o sucesso você traçou? Conta para a gente nos comentários!

    Comentários

    comentários


    Receba as melhores dicas e novidades por e-mail

    Veja também no VivaCorretor

    • Social
    VivaReal

    O VivaCorretor é uma iniciativa do Portal Imobiliário VivaReal